domingo, 17 de abril de 2016

Demora



E tu tardas na demora que me devora
hora a hora, e eu escuto cada minuto
nos segundos profundos
da distância
quando já nem um grão de areia
cabe na imensidão da saudade
que me rodeia...e é tão tarde...

Rosa Alentejana Felisbela
(imagem da net)

4 comentários:

  1. Que beleza de construção! Nossa, o poema todo é belo, no seu sentido e na maneira com que vc atua para chegar até ele.
    Beijo e bom dia já.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada por todo esse carinho na minha escrita e comigo!
      Beijinho linda!!

      Eliminar
  2. É impressionante como em poucas palavras consegues descrever tantos sentimentos...

    Um beijinho!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Às vezes, as palavras são supérfluas...
      Beijinho

      Eliminar