terça-feira, 12 de abril de 2016

Agruras da Terra


Fustigada pelo fausto
vento que do Norte
sopra, rodando
e rodopiando

manifesta-se Terra

ela em seu protesto
como predisposto
em pousio humano

confinada ao silêncio
tanto e tão funesto
como confidente
ela carrega a cruz

inspirada e incapacitante

d’angústia penitente
arada na procura
do adubo bom
composto p’lo juízo
perdido na negrura
das palavras vãs

Oh! Terra deslumbrante
aguarda a colheita
sagrada e rarefeita
de um solo abundante

que amacia a raiz
e brota tão feliz
como fruto farto
e revigorante!

Rosa Alentejana Felisbela
(foto tirada por mim)

12 comentários:

  1. Lindo o seu poema telúrico, Rosa. Conheço o Alentejo, talvez seja por isso que amo o que vc faz. Vou tentar copiar o poema anterior para publicá-lo. Se não conseguir, volto aqui e lhe dou o meu email.
    Beijo*

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada :)
      O Alentejo é verdadeiramente inspirador!
      Beijoooo

      Eliminar
  2. Colei, digitei e publiquei. Espero que vc goste. Dá uma passa lá e deixe seu comment.
    Beijo*, vou dormir.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Está certo querida! Muito obrigada <3
      beijinho!!

      Eliminar
  3. Brilhante este blogue que me passou completamente ao lado!

    Agradeço à Renata Cordeiro que me fez chegar até aqui!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada Jorge! E obrigada Renata <3
      beijinhos aos dois :)

      Eliminar
  4. Um hino à Terra, maravilhoso e sentido poema.
    Rosa, cheguei aqui através do blogue da amiga Renata Parreira cordeiro, meus sinceros parabéns pela forma bela e sentida com que escreve. Quem escreve com a alma toca o coração de quem lê.
    Irei com muito prazer divagar pelo seu "Perfume das Palavras".
    Um abraço
    Maria
    Um abraço
    Maria

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada pelo "passeio" e pelo comentário tão simpático!
      Agradeço novamente à Renata pela disponibilidade para partilhar o meu texto!
      Adoro escrever e os comentários são sempre bem-vindos, bons ou maus servem para evoluir!
      Um abraço apertadinho Maria :)

      Eliminar
  5. Não consegui apagar o email, Rosa. Se o fluxo for grande, apago o comment, o que não queria fazer. Adorei a canção alentejana sobre rosas. Depois,mando-lhe uma mensagem, mas já somos amigas no Face.
    Beijo*

    ResponderEliminar
  6. Oh...que pena!
    Por favor apague o comentário que eu vou lá comentar novamente, sim?
    beijinho

    ResponderEliminar
  7. Rosa, li sua ODE À ESCRITA no blog da Renata e me encantei com a riqueza de seus versos.
    A terra sofre e, muitas vezes, sua silenciosa dor é provocada por desleixo humano. Mas é dela que recebemos os presentes que cuidam de nossa sobrevivência. Ampliei sua foto para melhor apreciá-la. Ficou bela! Bjs.

    ResponderEliminar
  8. Muito obrigada Marilene! A terra sempre foi tratada com "desprezo" por ser farta de riqueza...somos egoístas. :(
    Beijinho :D Fico feliz por ter gostado!!

    ResponderEliminar