sábado, 24 de junho de 2017

Professor com orgulho


Em dia de exame escolar
é distribuído o serviço
Enquanto a uns cabe ir vigiar
aos suplentes, cabe o paraíso

Paraíso na sala de professores
onde existe o ar condicionado
Uns tiram fotocópias a cores
outros de computador ligado…

Ligado deve estar o par
de vigilantes, em sintonia
Mas sem telemóvel para jogar
acabam-lhes com a alegria!

Alegria era todos saberem
exatamente as suas funções
para ao secretariado pouparem
algumas tolas confusões…

Confusões não são permitidas
na escrita do nome da disciplina
no código, no horário, nas tolerâncias
tudo no quadro, com caneta fina.

Fina ou grossa que seja a voz
de quem, à porta, faz a “chamada”
Preciosa é a ajuda veloz
de quem os senta em linha “serpenteada”

“Serpenteada” e sem enganos
tal como a leitura das “advertências”:
a tinta indelével, todos os anos,
e os procedimentos para as desistências.

Desistências (ou não) preenchem o cabeçalho
com a assinatura, a fase, a versão
e por vezes é o “cabo do trabalho”
quando esquecem o cartão de cidadão!


Cidadão é agora o professor
que abre o saco com a tesoura
distribuindo o exame, sempre ao dispor,
dando esclarecimentos com brandura

Brandura característica da primeira hora
que decorre sem qualquer transtorno
Marcham ligeiros, os professores agora
sem ligar se o dia está frio ou morno

Morno que passa a quente e a descambar,
a marcha torna-se então lenta…
A ciática a doer, os rins a fraquejar
e a bexiga cheia que já “apoquenta”

Apoquenta também o calor
e a sede. A fome é já tamanha
que o som do estômago é um pavor,
mira-se uma cadeira, com manha…

Manha acobertada, acabam
por se sentar à vez
encostados ao cotovelo (já sonham)
em sair dali…que insensatez!

Insensatez a dos “moços” que ficam
mais a meia hora de tolerância
E o calor, a fome, o sono marcam
mais uma missão cumprida de vigilância!

Rosa Alentejana Felisbela
24/06/2017
(imagem da net)

domingo, 18 de junho de 2017

perda


Eu estou cheia de calor. Não tenho ar condicionado. Estou literalmente a "destilar". Mas o que dirão os Bombeiros com aquelas fardas e botas, perante a violência das chamas? Perante a temperatura da terra que pisam? 36 horas sem poderem respirar convenientemente😔 E as pessoas apanhadas nas estradas em fuga, sem fuga? E as que ficam sem casa para poderem ter algo que as refresque? Não há volta a dar...A situação é bem mais grave que os nossos umbigos. Apostar na prevenção das florestas? Sim, mas antes que a própria Natureza ou um lunático qualquer se lembre de tirar vidas...

Rosa Alentejana Felisbela

sábado, 17 de junho de 2017

adolescência


Instante adolescente
na corrente do sangue
e o pânico da dúvida
em presente hesitante

Rosa Alentejana Felisbela
(imagem da net)

sombra


És contorno escurecido
que me reflete sem adorno
com o sol a pique

Rosa Alentejana Felisbela
(imagem da net)

quarta-feira, 14 de junho de 2017

serenata


Derrama-se a escuridão na abóbada celeste,
enquanto a lua acorda
o canto das cigarras
para a serenata
deixada pelo rasto
dos nossos corpos!

Rosa Alentejana Felisbela
(imagem da net)