quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

Da origem do amor


Dos raios solares do teu olhar
nasce o calor acolhedor
da seiva morna nas faces
e as caldeiras acesas das veias
aguardam esse vulcão do ventre
que incendeias num quase… transbordar

Do relâmpago da tua voz
nascem os suspiros de vento
e os nimbos solitários
ponderando as tardes de chuva
benigna e redentora
polvilham o firmamento
de sombras de tarde viúva

Das montanhas dos teus dedos
nasce a ternura de cada fonte, rio e mar,
e quando acaricias cada vale e cada monte
é como se percorresses horizontes
acariciando da terra a fertilidade

O limbo do teu corpo
é nascente das torrentes de orvalho
que o prazer demanda
na barragem das cores urgentes
que a primavera eclode
em éclogas de canções de amar…

Rosa Alentejana Felisbela
(imagem da net)

Sem comentários:

Enviar um comentário